Gêneros Cinematográficos: Drama | Papo de Cinema

De volta aos nossos gêneros cinematográficos, falaremos de drama, aqueles filmes que nos fazem chorar e refletir sobre a vida mas vamos estudar aspectos técnicos e da estrutura desse gênero no cinema, lembrando que todo estudo é baseado no livro ‘Manual de Cinema - Gêneros Cinematográficos-II” de Luís Nogueira.

Segundo o autor, o drama busca retratar o ser humano em sua maneira cotidiana de forma mais ou menos complexa mas com grandes implicações afetivas ou capaz de trazer temas que causam polêmica social. Um exemplo que podemos pegar é o filme “Uma Lição de Amor” de 2001 que conta a história de um pai Sam Dawson (Sean Pean) apresenta problemas mentais e toma conta de sua filha Lucy (Dakota Fanning) com um grupo de amigos. Quando Lucy completa 7 anos, ela ultrapassa seu pai intelectualmente, acaba chamando a atenção de uma assistente social que deseja colocar  a menina em um orfanato. O filme chama atenção por discutir temas como a questão da doença mental, apesar de não entrar tanto na doença, podemos notar que o filme explora o lado patológico e sua limitação da inteligência.

“Ao contrário do que sucede no filme de acção, onde os acontecimentos tendem a ganhar relevância, a caracterização das personagens adquire, no drama, contornos de especial complexidade, já que o mais importante, do ponto de vista narrativo, são as consequências dos conflitos sobre aqueles que os vivem. É nesse sentido que podemos falar em tensão dramática, isto é, nos efeitos que os acontecimentos provocam sobre aqueles que se confrontam com situações de adversidade.” Um bom exemplo sobre as consequências de conflitos é uma série que amo de paixão e retrata isso muito bem, “This Is Us’, quando Rebecca engravida de Jack, e espera trigêmeos, durante o parto Rebecca perde um filho. Ela poderia levar a tristeza de levar apenas dois filhos para a casa é ai que Jack ve um neném que acabou de chegar do corpo de bombeiros para o hospital e convence Rebecca a levar para a casa, tendo os filhos Kate, Kevin e Randall,  o filho adotivo. Como consequências em um futuro, Kate vira uma irmã que trava uma batalha com seu corpo sobre a questão de ganho de peso, Kevin que vira um ator em uma siticom chamada “O Babá”  e Randall que virou um executivo importante.

Há vários tipos de subgêneros dentro do drama, segue alguns exemplos.

O drama social coloca as personagens em confronto com uma concepção do mundo na qual elas têm dificuldade em encontrar o seu lugar e as suas referências, sendo muitas vezes vítimas de contextos que negam ou agridem os seus direitos elementares;. Um filme que cabe perfeitamente nesse exemplo é o “Garota Dinamarquesa” em que tras o drama de Elianar que é casado com Gerda. Quando sua esposa decide vestir Gerda como uma mulher, ele começa a questionar e  sentir a sensação de sentir uma mulher  se nomeando como Lili e decide partir em busca disso, ainda que contrariando sua esposa, se torna a primeira cirurgia de mudança de sexo para assumir Lili por completo.

O drama bélico remete necessariamente para circunstâncias de elevada violência como são necessariamente os cenários de guerra ou as suas consequências; perante o inimigo e perante a morte, o indivíduo questiona ou descobre a sua plena e autêntica humanidade (ou a sua ausência). Um grande exemplo desse tipo de drama é de filmes como “O Menino do Pijama Listrado” ou “Repórteres de Guerra”, vou me adentrar no segundo exemplo e mostrar na cena em que o fotógrafo Kevin Carter registra a questão da fome e desigualdade da famosa foto “ O menino e o abutre”, em que mostra um abutre esperando a criança morrer para comer seus restos mortais, após essa foto, Carter foi muito questionado se deveria intervir ou não na realidade em que fotografava, pensando nisso, ele ficou doido e acabou suicidando.

 

O drama romântico tende a focalizar a sua atenção nas relações afetivas de maior intimidade ou cumplicidade, dando frequentemente a ver o seu reverso, as suas dificuldades e incomunicabilidades, a sua transitoriedade ou incompatibilidade. Por eleger como tema fulcral o mais compulsivo dos afetos, tende a suscitar o maior envolvimento do espectador. Um exemplo clássico que podemos pegar é “Titanic”, a história narra a vida de Rose, em que sua família esta falida e precisa de casar forçado para salvar o nome e a honra de sua família, ela embarca no Titanic com seu noivo, porem, se sente presa e sem vontade de fazer nada, pois todas as suas ações são feitas por sua mãe forçar a se casar e sua responsabilidade em resgatar o renomado legado de sua família até que um dia, durante a viagem, decide em uma ação repentina, suicidar, pular do navio, porém é interrompida por Jack Dawosn, um artista, pobre que ganhou a passagem para o Titanic. Jack convence Rose a ficar e lutar por sua vida, os dois começam a se envolver até que um amor acontece em alto mar até que Carl, seu noivo ao saber do envolvimento de Jack e Rose faz de tudo para parar esse romance e ordene que Rose seja sua. Titanic é daqueles filmes que rapidinho nos apaixonamos pelos conflitos de Jack e Rose e torcemos para eles como o casal, ambos lutam para ficar juntos em meio a tanto preconceito, ela por ser rica demais, ele por ser pobre demais e como isso interfere em sua relação, o modo de vida completamente oposto um do outro e como eles constroem uma relação mar a dentro do grande navio é o ponto alto do filme.

E  ai gostou do nosso estudo? É muito legal entender como o gênero é construído e pensado para trazer aspectos importantes.

Me diz ai nos comentários qual desses dramas mais te chama atenção?



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.