Viagem Musical

SOBRE CANÇÕES

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Maratonando

Novidades/Postagens Recentes

Os álbuns mais esperados de 2022

O ano novo chegou e com ele vem as expectativas de novos trabalhos musicais. Existem alguns artistas que já deixaram no ar que estão trabalhando em novos álbuns, mas também existem aqueles que gravam tudo de forma sigilosa para que haja surpresa com o anúncio - ou para que os fãs não criem expectativas caso algo saia do planejado, visto que estamos enfrentando uma nova onda de COVID-19.

Sendo assim, decidi listar alguns artistas que devem estar lançando trabalho novo neste ano. Seja por já ter dado algumas pistas ou por estarem um tempo prometendo projeto inédito que nunca chega. 


SANDY: O sucessor do 'Nós, Voz, Eles' deve ser lançado no segundo semestre. A artista já revelou que a faixa 'Universo Reduzido' foi o fim de uma fase melancólica, e agora se sente pronta pra voltar a escrever canções que fujam da temática da COVID. Em algumas entrevistas, ela ainda revelou que apesar de não ter começado a produção desse trabalho, ele deve fluir muito bem quando der o pontapé inicial. 

Lembrando que o álbum será o quarto projeto da artista em estúdio. Os anteriores foram o Manuscrito (2010), Sim (2013) e o já citado, Nós, Voz, Eles (2018).


JÃO: O artista nem começou a turnê do seu álbum mais recente, 'PIRATA', lançado em outubro de 2021, e parece que já está trabalhando em seu sucessor. Ao gravar alguns stories para a sua conta do instagram, o artista confirmou que deve lançar o seu quarto álbum de estúdio ainda esse ano. 
 
Se for pararmos para analisar os lançamentos de Jão, ele sempre lança seus trabalhos final do ano, então ainda tem um tempo para sabermos mais detalhes sobre. Afinal, ele ainda está colhendo os frutos do seu lançamento mais recente, já que a faixa Idiota segue subindo nos charts como uma das músicas mais ouvidas pelos brasileiros.
 
 
ANA CAROLINA: Após o álbum 'Fogueira em Alto Mar', lançado em 2019, Ana Carolina não lançou mais faixas inéditas, e nesse ano de 2022 deve ser o ano que a artista deve lançar seu sucessor. 
 
Ao ser abordada em algumas entrevistas sobre trabalho novo, ela disse que a pandemia foi uma época de ela se recolher e surgiram algumas composições, e que na hora certa ela iria lançar. Estou bastante animado para esse trabalho, e aguardo ansiosamente mais detalhes.
 
 
OLIVIA RODRIGO: Revelação de 2021, Olivia Rodrigo já afirmou estar trabalhando no sucessor de 'Sour', seu álbum de estreia. Será que o trabalho irá conseguir manter a qualidade do seu antecessor? 
 
Não podemos negar que Olivia serviu hinos demais nesse primeiro projeto da carreira, o que me deixa mais ansioso para o que vem pela frente. 
 
 
TAYLOR SWIFT: Um dos grandes destaques do ano que passou foram as regravações de Taylor Swift. Nesse ano que começa, a versão do álbum '1989' é a mais aguardada, lançado em novembro de 2014, esse é um dos melhores álbuns da artista. 
 
E se já não bastasse as faixas que a gente ama, os boatos que estão rolando é que o projeto terá o maior número de faixas inéditas de uma regravação. Vocês já pensaram nos hinos que iramos escutar? Eu não paro de pensar. 
 
 
GLORIA GROOVE: Após os grandes sucessos de BONEKINHA, A QUEDA e LEILÃO, deve estar ainda mais perto de a gente conhecer 'Lady Leste', o segundo álbum de Gloria Groove se contarmos 'O Proceder', lançado em 2017.
 
'Lady Leste' foi anunciado por Gloria quando lançou o primeiro single do projeto, em junho de 2021. Com boa aceitação do público, a artista viu seu trabalho alcançar mais pessoas com A QUEDA, o segundo single, lançado em outubro e que viralizou, sendo o maior sucesso da carreira até o momento. 
 
Se essas três faixas são hinos, imagina o álbum todo? Libera logo! 
 
Esses são alguns dos projetos que devem ser lançados ao decorrer de 2022 e que me deixam bem ansioso. Agora quero saber de você leitor. Quais os álbuns mais esperados? O que você espera dos seus artistas favoritos nesse ano? 

'Emily em Paris' perde um pouco do seu charme em sua segunda temporada


Fui um dos que amei a primeira temporada de Emily em Paris e esperei ansioso pela segunda temporada dessa série que foi uma grata surpresa em 2020. Pouco mais de um ano, a segunda temporada estreou, mas infelizmente bem diferente do que eu imaginava.

Enquanto a primeira focou na ida de Emily para Paris e toda a sua adaptação, a segunda foca em um triângulo amoroso que pouca gente gosta e a inclusão de mais um par romântico para a protagonista que se vira muito bem sozinha. 

Sim, eu até gostei de Gabriel e Emily na primeira temporada, e achei interessante a a química entre os personagens, mas o foco não era esse, enquanto na segunda temporada o foco da protagonista se resume em seu par romântico, e a forma como Alfie é introduzido na história também não me agradou muito. É tudo bem forçado e só serve para reforçar que Emily funciona bem melhor sozinha - e é isso que eu esperava nessa temporada. 

Eu até entendo ter conflitos referente a casos amorosos, até pelo fato de a primeira temporada ter terminado dessa forma, mas fazer uma temporada inteira sobre isso faz com que a série perca um pouco do seu brilho. Se renovada, eu espero que o futuro da série vá para um outro caminho e os roteiristas se toquem que nem tudo é sobre casal.

Globoplay libera 'Da Cor do Pecado' na íntegra; Novela é a primeira de João Emanuel Carneiro como autor titular


Faz uns três anos que eu maratonei a versão do Vale a Pena Ver de Novo de Da Cor do Pecado, primeira novela de João Emanuel Carneiro como autor titular. A trama, como todas, tem alguns problemas e personagens bem descartáveis, mas a trama central é de longe uma das melhores do autor.

Além do enredo e do elenco estrelar, a trilha sonora de Da Cor do Pecado é outro ponto positivo da trama. Ao escutar músicas como Palavras ao Vento, é impossível não lembrar do casal protagonista Preta (Taís Araújo) e Paco (Reynaldo Gianecchini).

Personagens memoráveis como Bárbara (Giovanna Antonelli) e Tony (Guilherme Weber), dupla de vilões que são responsáveis por grandes momentos da trama. A relação de Raí (Sergio Malheiros) e Afonso (Lima Duarte), também marcou os fãs da trama e os dois personagens são lembrados até hoje com carinho.

E pra finalizar, deixo aqui registrado que Preta, é uma das melhores protagonistas femininas já criadas por um autor de novelas da Globo. Apesar de passar por muita coisa durante a novela, e só ter seu final feliz no último capítulo, a mocinha nunca foi de choramingar e sempre bateu de frente com seus inimigos. Isso, sem dúvidas, é um dos pontos altos da trama. 

E você assistiu Da Cor do Pecado quando foi exibida? Se não, a trama está disponível na íntegra a partir de hoje na Globoplay. Para quem não assistiu e para quem quer rever essa história que conquistou milhares de pessoas e tem uma das maiores audiências do horário na época em que foi exibida.

Há um ano, ANAVITÓRIA lançava 'COR', álbum que mostrou a evolução artística da dupla

 


Hoje faz um ano em que eu cheguei em casa após passar a virada do ano com a minha família e coloquei o álbum COR, do duo Anavitória, recém lançado, para tocar. 

O meu primeiro sentimento foi de estranheza, e quem estava habituado com os trabalhos anteriores da dupla, deve ter tido a mesma reação ao ouvir o álbum lançado naquela virada de ano e sem aviso prévio. 

COR, que completa um ano hoje, é o trabalho mais maduro da dupla e também mais experimental. A produção valorizou muito o resultado final desse álbum trazendo a densidade que as composições pediam. Faixas como Explodir e Te Amar é Massa Demais carregam a forte identidade da dupla, mas elas também mostram uma grande evolução ao cantar SelvaAmarelo, Azul e Branco e Lisboa, essas duas com participações de Rita Lee e Lenine, respectivamente, e que trazem um brilho a mais para as canções.

Ana Caetano e Vitória Falcão comemoram um ano de um trabalho muito rico, onde elas exploram diversas facetas mas continuam cantando sobre o amor. COR foi um dos projetos lançados no ano passado que eu mais consumi e algumas das faixas seguem firme na minha playlist. 

E para comemorar essa data, irei colocar abaixo as minhas cinco músicas favoritas do álbum. Lembrando que essa é uma escolha pessoal, e vocês podem citar as cinco músicas favoritas de vocês nos comentários. 

EXPLODIR: É a minha música favorita desde que eu ouvi pela primeira vez. Ela segue na minha playlist e não deve sair tão cedo!


SELVA: Assim como Explodir, essa música me conquistou desde a primeira vez que ouvi o álbum. Além da composição que é uma das melhores da discografia da dupla, o arranjo também é muito sedutor e rico em detalhes.


TE AMAR É MASSA DEMAIS: Diferente das duas anteriores, essa é uma das faixas que eu não dei muita atenção quando o álbum foi lançado, mas após o duo lançar o clipe oficial em seu canal, ouvi e vi com outros olhos e me apaixonei demais pela faixa.


AINDA É TEMPO: Essa foi o meu primeiro vício do álbum. Escutei em looping por um bom tempo e queria que ela tivesse maior duração.


TE PROCURO: Essa é outra faixa que eu sou apaixonado desde sempre, e acredito que ela é uma das músicas que mais conversam com meu coração em tempos difíceis. Quem nunca se sentiu em uma relação falida que não conseguia sair? Na minha opinião essa é uma das melhores músicas do duo. E uma das mais tristes também.


Essas foram as minhas cinco músicas favoritas do quarto álbum de estúdio do duo ANAVITÓRIA. E você conhece o álbum? Quais as suas faixas favoritas? Deixe nos comentários.

O Comenta te espera em 2022

 



2021 foi um ano bem especial. Apesar de tudo o que está acontecendo no mundo, acredito ter sido um ano de muita evolução pessoal, e que me fez resgatar o tesão de escrever nesse espaço. Esse foi o ano em que trouxe de volta o estilo minimalista e me firmei como o único autor das postagens aqui do blog, mas não sem antes uma pausa, e cogitar realmente acabar com o blog. 

Felizmente, quando parei, recebi muitas mensagens carinhosas e resolvi voltar no mesmo estilo de quando eu resolvi cria-lo lá em 2012, apenas com o intuito de escrever sobre o que eu gosto e compartilhar com os leitores que estiverem interessados em ler. 


Quero agradecer por mais um ano que passamos juntos. Ano que vem o espaço faz 10 anos, e ansioso que sou, já parei até pra pensar que é um baita tempo né? É muito conteúdo, dedicação e realização. Então, obrigado. Agradeço cada acesso, comentário, e sei que em 2022 teremos muito mais razões para comemorar. 


Que todos tenham uma virada de ano cheia de alegria, saúde e paz. Que a gente esteja com quem a gente ama! Feliz ano novo!

Os álbuns que eu mais ouvi em 2021 | parte 2


A segunda parte dos álbuns que eu mais ouvi no ano chegou, e a lista é bem diferente da do primeiro semestre, já que tivemos lançamentos incríveis ao decorrer desse ano. Lembrando que os 10 álbuns que estão nessa lista não foram escolhidos a dedo, e sim por conta do aplicativo Last.FM, que contabiliza todas as faixas que escutamos.

Vamos aos fatos? Confira os 10 álbuns que eu mais ouvi no segundo semestre de 2021:



10º LUGAR: BEIJO DE JUDAS - CAROL BIAZIN

E não é que a Carol Biazin se manteve na lista com a mesma posição. Não tenho nem como dizer ao contrário, mas Beijo de Judas fez parte do meu ano. Nesse segundo semestre, o destaque fica por conta de Raio-X, parceria da cantora com Dilsinho que eu amo.

9º LUGAR: VOU TER QUE ME VIRAR - FRESNO

A banda Fresno lançou recentemente o seu novo álbum, após o bem sucedido Sua Alegria Foi Cancelada, o novo trabalho reforça a força da banda, e ainda trouxe Lulu Santos como convidado de Já Faz Tanto Tempo, uma das minhas músicas favoritas, assim como Casa Assombrada, um dos destaques desse trabalho.

 

8º LUGAR: UNIVERSO INVERTIDO - WANESSA CAMARGO

Lançado em 2020, Universo Invertido segue sendo um dos álbuns que eu mais ouvi no ano e também um dos meus trabalhos favoritos da Wanessa. Faixas como Desiste Não, Cuida de Mim, O Segredo e Nosso Som fizeram parte do meu ano, e certeza que estariam em uma lista com as músicas que mais ouvi nesse ano.

7º LUGAR: BEM-VINDO AO CLUBE - DAY

O primeiro álbum de Day me fez relembrar os velhos tempos. Um tempo em que eu colocava o fone de ouvido na quadra do colégio e fugia da educação física. Sou apaixonado por tantas músicas, mas Inconsequente, Finais Mentem e Isso Não é Amor ganharam meu coração.

 

6º LUGAR: ANTI-HERÓI - JÃO

Anti-Herói do Jão é o único álbum que NUNCA saiu da lista dos álbuns que eu mais ouvi. Sigo apaixonado e dizendo que esse é o álbum da minha vida. Não sei se outro irá ocupar esse lugar tão especial que ele tem pra mim.

5º LUGAR: SOUR - OLIVIA RODRIGO

Já falei que o meu presente de 2021 foi conhecer o trabalho de Olivia Rodrigo casualmente em um vídeo no Youtube. Depois disso, acompanhei os lançamentos dos singles até chegar nesse álbum que eu consumi por muito tempo consecutivamente sem ouvir nada mais, tanto que passaram meses e ele continua firme e forte entre os álbuns que mais escutei no ano.


4º LUGAR: VOCÊ APRENDEU A AMAR? - PRISCILA ALCANTARA

Fiquei muito feliz quando soube que a Priscila iria começar uma nova fase em sua carreira e apostar na música pop. Desde o lançamento de Correntes eu já comecei a me apaixonar por esse trabalho, tanto que Tem Dias que veio meses depois, foi o auge e uma das músicas mais lindas que ouvi esse ano. O álbum também foi uma grande surpresa, e para mim, Oceano e Eu Não Sou Pra Você são as minhas favoritas.

3º LUGAR: GRACINHA - MANU GAVASSI

Eu sou suspeito para falar, mas aqui começa a sucessão de álbuns que foram lançados em 2021 e que realmente fizeram parte do meu ano de uma forma muito especial. Começando por GRACINHA, grito de liberdade de Manu Gavassi que me fez ainda mais fã. Não que eu já não seja desde 2009, mas aqui ela sabe que conseguiu. A faixa-título, Eu nunca fui tão sozinha assim, Tédio, (não te vejo meu), Bossa Nossa, Catarina, CANSEI, são incríveis. O trabalho inteiro incrível. Ele está no meu terceiro lugar e lançou pouco mais de um mês. É sobre isso e tá tudo bem.

2º LUGAR: PIRATA - JÃO

Outro álbum que fez parte do meu ano de forma muito especial foi o terceiro projeto de estúdio de Jão, que sempre consegue colocar em música o que eu sinto - clichê, mas é - e não foi diferente nesse trabalho. Minhas favoritas são Você Me Perdeu, Acontece, Meninos e Meninas, Idiota e Santo. Não vejo a hora de sentir essa experiência ao vivo.


1º LUGAR:  DOCE 22 - LUISA SONZA

Quando eu vi que era o Doce 22 no meu primeiro lugar, eu entendi que não poderia ser diferente. Esse álbum foi uma daquelas surpresas, que a gente vai se apaixonando aos pouquinhos por cada faixa e ter uma favorita a cada semana. Foi assim por aqui, e deve ter sido assim com muitos outros. Não consigo escolher uma faixa favorita, mas Melhor Sozinha e ANACONDA, acredito que são bem especiais pra mim.

 

E eu quero saber, quais os álbuns que fizeram parte do 2021 de vocês? Deixe nos comentários.

Sandy lança 'Universo Reduzido', faixa em que canta sobre a angústia vivida nos últimos meses

 


“... Eu vi centenas de céus abertos, fechados, indecisos/ Vi tormentas e eclipses/ Verão, inverno, outono, primavera da janela/ Do meu universo reduzido...”, esses são alguns dos versos de Universo Reduzido, faixa que Sandy lançou na última sexta após três anos sem música inédita.

A faixa sai um pouco do habitual tema romântico que já faz parte da identidade da artista em sua carreira solo. Universo Reduzido é uma faixa introspectiva, mostra uma Sandy madura e segura do que está falando, mostrando sua vulnerabilidade em tempos difíceis, mas acreditando que dias melhores estão por vir.

O trabalho apresenta uma das composições mais belas de sua discografia solo, e mostra que ela pode ir muito além sem perder sua essência. Universo Reduzido, arrisco dizer, ser o momento mais maduro de sua carreira solo. O clipe, incrível, emociona pela performance e referências - a artista ainda faz uma bela homenagem para Zelda, sua cachorrinha que faleceu há algumas semanas, e que estava na família há 12 anos.

Ou seja, a faixa intensa, traz o peso desses últimos dois anos para Sandy. Como ela lidou com a pandemia e mais alguns sofrimentos que foram surgindo. Assim como em outros trabalhos, ela mostrou sua verdade em um trabalho onde tudo funciona, mostrando ser uma das maiores artistas desse país. Agora, aguardo ansioso pelo que vem por aí, já que há sempre uma surpresa – positiva - no caminho.

NOTA: ★★★★★ (5)

19 anos do terceiro - e ótimo - álbum de Wanessa Camargo

Parece que foi ontem, mas fazem 19 anos que escutamos Wanessa Camargo cantando Sem Querer pela primeira vez. Sim, o terceiro álbum da cantora que contava com esse hino no setlist completa 19 anos de idade hoje, 5 de dezembro. 

O álbum autointitulado fez parte de uma trilogia, e hoje, acredito ser um dos trabalhos mais coesos da discografia da artista. Nesse projeto conseguimos ver os dois lados de Wanessa, o romântico e o pop, que andam juntos em um projeto que só melhora com o passar dos anos, e nos faz sentir uma nostalgia boa de uma época não tão distante, mas bem diferente de hoje. 

Como Dizer Ao Coração é a primeira faixa, e é sucedida por Um Dia... Meu Primeiro Amor, o primeiro single, lançado antes do lançamento oficial do álbum. Aqui Wanessa ainda cantava sobre a inocência do primeiro amor. O álbum é composto por 14 faixas, e em sua primeira metade é quase uma música romântica seguida de uma mais agitada, enquanto em sua segunda metade, as faixas acabam indo para a linha mais romântica - e algumas delas compostas pela própria Wanessa com parceiros. 

É um álbum que fala muito bem com as duas vertentes da carreira da artista, o romântico e o pop, e que no final, funcionam muito bem e entregam um projeto muito coeso e completo. Saudade que fala né?

A experiência completa de 'GRACINHA' com o incrível álbum visual


Manu Gavassi entregou um álbum rico em muitos sentidos, mas a experiência realmente fica completa quando a gente assiste ao álbum visual disponível na DisneyPlus.

Além do roteiro muito inteligente, as músicas parecem que ganham vida própria de acordo com os vídeos e conseguimos entender completamente o que a artista quis dizer em cada faixa que está nesse projeto - e nenhuma está ali por simplesmente estar.

GRACINHA faz uma crítica contra o mercado, e com toda a certeza ele reflete muito do que Manu - e tantos artistas - passam, já que são vistos como uma máquina de fazer dinheiro e acabam por ir muitas vezes contra o que acreditam. 

A delicadeza da direção, méritos para Manu e seu co-diretor, Gabriel Dietrich, são outro ponto alto do álbum visual. O elenco também faz toda a diferença, destaque para Ícaro, Titi, João Cortês e Paulo Miklos. E os dançarinos, que dão vida para as faixas do projeto.

Enfim, GRACINHA é um projeto que reflete muito bem o que muitos gostariam de contar, mas que por algum motivo não podem. O reconhecimento que Manu ganhou no BBB, conseguiu fazer com que ela trilhasse um caminho genuíno, sem precisar fazer nada que ela não quisesse, e o resultado ficou incrível. 

NOTA: 4/5

'Um Lugar ao Sol' tem primeira semana de tirar o fôlego

 


Após uma sucessão de reprises, Um Lugar ao Sol é a primeira novela inédita no horário nobre. O primeiro capítulo serviu mais para a apresentação da história, mas em seu segundo Lícia já disse ao que veio com um capítulo de tirar o fôlego – algo que a gente também viu nos capítulos que vieram a seguir.

Quem deu uma chance para a trama, já entende que a trama é muito mais que uma novela sobre um gêmeo que assume o lugar do outro. A história muito bem construída, ainda vem com o texto primoroso da autora que não poupou movimento nesses primeiros capítulos.

Cauã Reymond brilhou como Christian e Renato, que tinham personalidades diferentes e o ator soube deixar isso bem explicito. Todo o enredo e a construção da troca de identidade foram muito bem elaborados pela autora, e acredito que venha muita coisa boa por ai. Juan Paiva foi outro destaque nessa primeira semana, e acredito que ainda vá crescer ainda mais ao longo da trama.

Das protagonistas femininas, Andreia Horta vem emocionando também. A cena em que sobe o morro e ouve os tiros foi de cortar o coração, assim como quando viu Renato morto achando que era Christian. Já Alinne Moraes tem uma personagem bem complexa nas mãos, e a atriz brilhou desde a primeira cena em que apareceu.

Outro ponto positivo é o fato de que a novela terá pouco mais de cem capítulos, não dando espaço para barrigas. Ao julgarmos pela primeira semana, Lícia nos entrega uma trama complexa e de tirar o fôlego, e que deve entrar na minha lista de melhores novelas desses últimos anos.

'GRACINHA' é o resultado de uma Manu Gavassi mais livre do que nunca


GRACINHA é o novo álbum de Manu Gavassi e deve soar estranho para muitos em uma primeira ouvida. Com um pop melancólico chique, o novo trabalho chega para marcar uma nova fase da carreira da artista que se mostra mais livre do que nunca. 

Com nove faixas, o quarto álbum de estúdio vem com uma proposta completamente diferente dos trabalhos anteriores. Talvez por todo o crescimento pessoal que Manu teve nesses últimos anos, ela se desprende de qualquer expectativa do público e lança seu projeto mais ousado e diferente. 

Ser ousado e diferente não tira o mérito de grandes projetos que a artista lançou anteriormente, como os dois últimos EPs, que é como se fossem os irmãos mais novos desse álbum e fizeram parte do caminho até aqui. Hoje faz todo o sentido Eu nunca fui tão sozinha assim ter sido lançada primeiro, já que ele traduz muito bem o álbum e as emoções que Manu sentiu no processo - como evidencia em outras faixas.

O pop alternativo de Bossa Nova e sua letra debochada, são características muito fortes desse álbum, e a faixa é um dos pontos altos do projeto, e a produção caprichada de Lucas Silveira faz a experiência ser ainda mais incrível. Quem não entendeu a referência da letra que diz "Você se leva a sério demais"? A frase foi dita por Tiago em um dos discursos para a artista em sua passagem pelo BBB, sem contar em outras frases como em "Não sei cantar, mas faço disso um compromisso/ Misturo tudo que você não gosta/ Não leve a mal/ Quando eu morrer quem sabe eu viro genial...", uma certa forma de colocar suas inseguranças em música, e também uma resposta aos haters, que adoram atacar o trabalho alheio na internet sem muito fundamento. Diferente de Bossa Nova, GRACINHA, título do álbum, volta ao pop melancólico, mas com um discurso muito forte e intenso também, e a participação de Tim Bernardes e Amaro Freitas também fazem toda a diferença. 

Gracinha não é o que muitos esperavam, mas pode se dizer que é um dos trabalhos mais inspirados e coerentes de Manu, que é muito mais perspicaz e original quando ouve seu coração e canta sua verdade.

NOTA: 4/5 

As Trilhas com Vanessa da Mata



Vanessa da Mata, cujo seu trabalho mais recente é Quando Deixamos Nosso beijos na Esquina, e uma das faixas foi trilha de A Dona do Pedaço, tem uma extensa carreira e já acumula diversas músicas em trilhas desde que foi lançada no cenário musical há 20 anos. Vamos relembrar um pouquinho dessas músicas?
Em 2002, Vanessa emplacou “Onde Ir” na trilha de Esperança, novela das oito da Rede Globo, e no ano seguinte, “Nossa Canção”, na trilha de Celebridade, também do horário nobre. Ambas as músicas eram do seu primeiro álbum, autointitulado, lançado em 1999.
Dois anos depois, Vanessa lançou seu segundo álbum de estúdio, Essa Boneca tem Manual, e emplacou “Eu Sou Neguinha?” na trilha da novela da sete, A Lua Me Disse, mas foi com “Ai, Ai Ai…”, música presente na trilha de Belíssima, novela das oito, que a cantora viu sua carreira se consolidar ainda mais.
Em 2006, Vanessa emplacou “Música” na trilha do filme Muito Gelo e Dois Dedos D’Água. Ainda no mesmo ano, “Ainda Bem” fez sucesso e foi incluída na trilha da Novela Pé Na Jaca, no horário das sete.
Em 2007 lançou seu terceiro álbum de estúdio, Sim, e no ano seguinte emplacou “Amado” na trilha sonora de A Favorita. Em 2009, Vanessa lançou seu primeiro álbum ao vivo, e a faixa “Um Dia, Um Adeus”, presente no projeto, fez parte da trilha de Cama de Gato em 2010.
Nesse mesmo ano, a cantora lançou mais um álbum de estúdio, intitulado Bicicletas, Bolos e Outras Alegrias. Em 2011, a faixa “As Palavras” foi incluída na trilha de Morde e Assopra, e “Te Amo” na de Aquele Beijo.
Em 2014 lançou o álbum Segue o Som, e emplacou “Sunshine on My Shoulders” na trilha de Geração Brasil. Três anos depois, lançou Caixinha de Música, seu segundo projeto ao vivo. Nele, a cantora regravou a faixa “Impossível Acreditar que eu Perdi Você”, música que foi incluída na trilha de O Tempo Não Para.
Depois de cinco anos sem lançar álbum de estúdio, Vanessa da Mata lançou em 2019 o álbum Quando Deixamos Nossos Beijos na Esquina, sendo seu último trabalho até o momento. Até então, emplacou o primeiro single do álbum, “Só Você e Eu” na trilha de A Dona do Pedaço, novela das nove da Rede Globo exibida naquele ano.
Além da canção inédita, Vanessa também emplacou sua regravação para a faixa “Apenas Mais Uma de Amor” na trilha sonora de Órfãos da Terra.