Header Ads

"Sangue Bom" muito prometeu e até agora quase nada cumpriu



Quando foi anunciada a volta de Maria Adelaide Amaral no horário das 19h com uma trama inédita, logo pensei que viria um novelão. Eu que parei de acompanhar a trama faz umas duas semanas, não vi nada que me despertasse atenção, que me fizesse voltar para assistir todos os dias. Dos protagonistas, os únicos que chamam atenção é Malu, interpretada por Fernanda Vasconcelos, uma garota frágil e infeliz. A atriz conseguiu dar um tom para a personagem de uma forma que ela não ficasse "chatinha", e também tem Fabinho, interpretado pelo talentoso Humberto Carrão, e Isabelle Drummond como Giane.

Sophie Charllote como Amora era minha grande aposta, ela está ótima, mas sua personagem não ajuda. Indecisa, às vezes se torna insuportável com suas atitudes que deixam o público indeciso se ela é mesmo a protagonista ou a vilã. Marco Pigossi é a mesma história, o personagem não ajuda e o casal dessa vez não decolou como em "Fina Estampa", onde os atores também contracenaram juntos. Em "Sangue Bom" sou muito mais Bento e Malu.

O que falta em "Sangue Bom" é uma história que prenda, o que falta são ganchos que nos façam ter vontade de acompanhar o próximo capítulo. Eu que acompanhei a novela por um bom tempo, confesso que as únicas coisas que me chamavam atenção eram as personagens de Marisa Orth e Giulia Gam, junto com o drama de Renata e Érico, interpretados por Regiane Alves e Armando Babaioff, que para atrapalhar tem o péssimo ator, Rômulo Neto. Sem esquecer da personagem de Fafy Siqueira, que é uma das melhores da novela, mesmo tendo entrado a pouco tempo. Mas nem ela foi capaz de me fazer continuar assistindo a novela.

Ainda dá tempo de os autores agitarem a trama e salvarem sua audiência que é de 24 pontos de média até agora, sendo considerada um fracasso para o horário que exige 30, só não perde para a antecessora "Guerra dos Sexos" que terminou com 22.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.