Espelho da Vida funcionaria melhor se fosse uma obra curta

Não acho Espelho da Vida ruim, mas entendo que a autora errou com os personagens secundários, pouco atraentes, e com a trama central andar em passos lentos.

Vitória Strada está muito bem no papel de Cris/Julia e está provando que estava pronta para assumir um personagem tão complexo. Por tanto, Alain, vivido por João Vicente de Castro, não é nem um pouco querido e chega a irritar em diversos momentos.
Nesse momento da história, a gente já tem ideia de que o personagem vai se revelar o vilão, mas a autora errou em não colocar outra figura masculina para dividir a atenção com Cris – ou ter escalado um ator mais simpático.
Um dos pontos positivos da trama é o clima de mistério. E talvez por isso, Espelho da Vida funcionasse melhor como uma novela curta, onde não precisasse ficar no ar quase seis meses, sendo quase impossível, não ter a temida barriga e o foco em personagens que ninguém se importa, como é o caso de Mariane (Kéfera) Mauro César (Rômulo Arantes Neto).
Acredito que com a entrada de Pedro, vivido por Rafael Cardoso, a trama vai ganhar agilidade e a trama irá avançar, começando pelo conflito entre o casal – até então – protagonista. Além disso, seria muito bom sabermos algumas respostas enquanto surgem novas perguntas, assim nós não nos sentimos enrolados, e o interesse em acompanhar a trama continua.

Postar um comentário